10 razões cientificamente comprovadas para incluir microalgas em sua dieta

Sempre associamos uma alimentação saudável com uma grande variedade de vegetais – mas será que lembramos das algas? Consumidas há milênios por diversos povos do globo, notadamente os orientais, as algas são extraordinárias fontes de nutrição.

Por Flávio Passos com colaboração de Pedro Ivo

Conhecidas por serem ricas em minerais, como iodo, as algas podem nos fornecer variados nutrientes, como vitaminas, proteínas e inclusive gordura. Sim, ácidos graxos essenciais, indispensáveis para o desenvolvimento do sistema nervoso e para bom funcionamento cerebral. Neste artigo exploraremos o potencial nutritivo e terapêutico de alguns destes seres antiquíssimos que estão na base da cadeia alimentar do planeta e que são responsáveis pelo nosso céu azul... As Dez Razões cientificamente provadas abaixo referem-se à Spirulina, Clorella e DHA extraído de microalgas

Densidade Nutricional

Duas das mais conhecidas microalgas, a spirulina (tecnicamente é uma cianobactéria, conhecida por “alga azul”) e a clorella se destacam pela impressionante densidade nutricional. A spirulina pode, literalmente, ser o alimento mais rico e nutritivo do planeta, e a clorella, vem logo em seguida.  As duas fornecem grande quantidade de fito nutrientes, ferro (a spirulina fornece 28x mais ferro que o fígado de boi), proteína de alta qualidade, todos os aminoácidos essenciais, ácidos graxos essenciais, vitaminas do complexo B, minerais como iodo, magnésio, cálcio (a spirulina fornece 8x a quantidade presente no leite de vaca), potássio e fósforo. A clorella é a maior fonte conhecida de clorofila, e a clorofila é um dos motivos de você ter escutado que o consumo de folhas verdes é essencial para uma boa saúde (1, 2).

Desintoxicação de poluentes e metais pesados

A clorella é mundialmente conhecida por sua notável capacidade de drenar toxinas para fora do organismo, inclusive metais pesados, que são cumulativos e muito difíceis de serem eliminados, como mercúrio, alumínio, cádmio e outros. Estas substâncias não só prejudicam diretamente a saúde, mas também impedem a absorção de nutrientes. A ação da clorella é notável, pois seu consumo regular também previne que tais toxinas se acumulem nos tecidos e órgãos. A spirulina também contribui com a desintoxicação, auxiliando o fígado a eliminar e metabolizar substâncias indesejáveis (3, 4).

Atividade anti-cancerígena

Evidências apontam propriedades antitumorais, de redução, combate e prevenção de câncer. Estudos em animais demonstraram a eficácia da spirulina e da clorela na redução de ocorrências e diminuição do tamanho de tumores (5, 6, 7). A spirulina foi solidamente estudada em pessoas com casos de câncer oral. Um estudo feito na Índia com 87 pessoas demonstrou a redução completa das lesões em 45% dos casos (8). Outro estudo demonstrou maior eficácia da spirulina do que o medicamento padrão de tratamento, a pentoxifilina (9). Em ambos os estudos, a dosagem foi de apenas 1 grama de spirulina por dia!

10 razões cientificamente comprovadas para incluir  microalgas em sua dieta

Alto poder antioxidante e anti-inflamatório

A clorella aumenta naturalmente os níveis de vitamina C, vitamina A e glutationa (que é o mais poderoso antioxidante produzido pelo organismo), neutralizando radicais livres e o estresse oxidativo (10). A spirulina, além de diversos compostos como carotenoides, contém um atributo exclusivo das cianobactérias, a ficocianina, o pigmento responsável pela sua coloração verde-azulada com poderosíssimos efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios (11, 12, 13).

Valiosa ajuda em quadros de anemia

Riquíssimas em ferro com alto nível de biodisponibilidade, estas duas microalgas podem ajudar bastante aqueles que sofrem da carência deste importante mineral, cujos sintomas incluem fraqueza, fadiga, desânimo e baixa resistência. Um estudo feito com 40 idosos com histórico de anemia demonstrou aumento significativo de hemoglobinas e melhora no sistema imunológico (14).

Diminuição da concentração de glicose sanguínea

O alto nível de glicose no sangue está relacionado com inúmeras doenças da modernidade, como a diabetes. A clorella e a spirulina mostraram grande eficiência na diminuição dos níveis de glicose no sangue. Em um estudo com a spirulina, os resultados foram realmente impressionantes e melhores do que os de medicamentos receitados para diabéticos, como a metformina (15, 16, 17, 18, 19, 20, 21).

10 razões cientificamente comprovadas para incluir  microalgas em sua dieta

Melhora nos sintomas de rinite alérgica

A rinite alérgica é provocada por ácaros, pólens, mudanças de temperatura, mofo e outros fatores, ataca a mucosa nasal, sinus, olhos e garganta. Em um estudo com 127 pessoas, todos os sintomas, como congestão nasal, coriza, irritação e outros diminuíram dramaticamente, com uma dose de apenas 2 gramas diárias de spirulina (22, 23).

Contribuem para perda de peso saudável

Estudos feitos com a clorella (24) e a spirulina (aqueles citados no item de diminuição da glicose sanguínea) indicam que estes superalimentos podem ser excelentes auxiliares para quem quer ou precisa perder peso. Apenas o fato de terem alto valor nutricional e baixíssimo valor calórico já contribui bastante para isso, principalmente se ingeridas antes das refeições, pois causarão saciedade e consequentemente menos apetite pelo que não é saudável.

10 razões cientificamente comprovadas para incluir  microalgas em sua dieta

Protege a forma LDL do colesterol da oxidação

Os tecidos gordurosos do corpo facilmente sofrem alterações indesejáveis, chamadas de peroxidação lipídica, que é um fator determinante de diversos problemas de saúde, como doenças cardiovasculares e doenças degenerativas diversas (25, 26, 27). Interessantemente, os antioxidantes da spirulina são especialmente eficazes na redução deste processo de peroxidação lipídica, essa característica foi comprovada inúmeras vezes em estudos com animais e seres humanos (28, 29).

Fonte de Ômega 3, com destaque para o DHA

O mais importante componente dos óleos ômega 3, o DHA, é um ácido graxo de cadeia longa cuja maior fonte são as microalgas do gênero Crypthecodinium cohnii. As fontes mais conhecidas deste nutriente indispensável são os peixes de água fria; porém O DHA não é produzido pelos peixes, mas provém das microalgas das quais estes se alimentam. O óleo extraído das microalgas é uma excelente fonte de DHA, principalmente para aqueles que não consomem peixes marinhos com frequência, vegetarianos e veganos (30, 31).  A spirulina também é uma ótima fonte de GLA, um ácido graxo essencial dificilmente encontrado em outros alimentos e contém  pequena quantidade de óleos ômega 6 e ômega 3 , mas de excelente qualidade e na proporção ideal. Conhecendo um pouco mais destas incríveis fontes nutricionais...

10 razões cientificamente comprovadas para incluir  microalgas em sua dieta

Clorella

Microalga unicelular muito conhecida por sua notável capacidade de drenar toxinas para fora do organismo. Esta capacidade, por si só, seria motivo de suficiente para incluí-la na alimentação, já que todos nós estamos suscetíveis a uma carga de poluentes e toxinas nunca antes vista na história da humanidade, mas as propriedades da clorella vão além desta ajuda inestimável ao organismo. A clorella também é densamente nutritiva, e um pesquisador japonês, intrigado com sua velocidade de multiplicação, descobriu que a grande quantidade de peptídeos e aminoácidos em seu núcleo era responsável por essa propriedade, que ele nomeou de CGF (Chlorella Growth Factor). Pesquisas indicam que o CGF fornece os componentes necessários para um saudável crescimento celular, ajudando no desenvolvimento do organismo.

10 razões cientificamente comprovadas para incluir  microalgas em sua dieta

Spirulina

Popularmente conhecida como uma alga e classificada como tal até a década de 60, a spirulina é de fato uma cianobactéria - uma bactéria unicelular que faz fotossíntese. As cianobactérias são mais antigas ainda do que as algas e junto com estas, são as grandes responsáveis pelo oxigênio de nosso planeta. É uma “alga” de lago e tradicionalmente era consumida pelos astecas e outros povos da América Central. A spirulina contém proteínas, vitaminas B1, B2 e B3, cobre, ferro e também boa quantidade de magnésio, potássio e manganês. Contém também os ácidos graxos ômega 6 e ômega 3, bem como todos os aminoácidos de que precisamos. Ao ser estudada espantou os pesquisadores por sua densidade nutricional e foi selecionada pela NASA como uma das melhores fontes alimentares para ser utilizada no espaço.

10 razões cientificamente comprovadas para incluir  microalgas em sua dieta

DHA

É um ácido graxo de cadeia média importantíssimo, integrante dos óleos da categoria ômega 3. A fonte alimentar mais conhecida deste elemento essencial são os peixes de água fria. Mas de fato, o DHA se acumula nos tecidos do peixe através de sua alimentação de microalgas (portanto peixes criados em cativeiro tem baixíssimo nível de DHA). A importância do DHA para a Saúde:

  • É um elemento estrutural do cérebro (que é feito, principalmente de gordura – 40% DHA), da pele, dos testículos, do esperma e da retina. O DHA é tão fundamental que é entregue para o bebê através do leite materno. Indispensável para o desenvolvimento do cérebro desde a fase embrionária até sua completa formação. Quanto maior a concentração de DHA no leite materno, melhor será o desenvolvimento do sistema nervoso. Após a infância, o DHA continua sendo de extrema importância para as funções cerebrais.
  • O DHA é considerado um nutriente essencial, ou seja, que o corpo precisa ingerir e não consegue sintetizar por si próprio.
  • Deficiência de DHA, apontam neurologistas como o Dr. David Perlmutter, é algo sério e traz consigo diversos sintomas. É por isto que a ciência recomenda o consumo frequente de peixes ricos em DHA.
  • A deficiência de ômega 3 está associada à baixa inteligência, depressão, problemas cardíacos, câncer, desenvolvimento de doenças degenerativas como Alzheimer e outros desequilíbrios.

Como vimos, embora proveniente de algas, até recentemente a fonte de DHA para nós, humanos, era via peixes e alguns outros produtos de origem animal. Atualmente temos a opção de suplementos de DHA extraído diretamente das algas, ideal para vegetarianos e veganos e também para aqueles que preferem uma opção mais ecológica e sustentável. Finalizando... A grande vantagem destes suplementos é que são de fácil utilização no dia-dia, fornecem uma ampla e variada gama de nutrientes, antioxidantes e outras substâncias benéficas à saúde. Densamente nutritivos, com pouquíssimas calorias e sem nenhum tipo de efeito colateral. Mas é importante ressaltar que a qualidade e a procedência fazem total diferença. Algas absorvem os poluentes do ambiente e outras espécies, que são tóxicas podem se proliferar. Portanto seja criterioso ao selecionar seus suplementos. Nós trabalhamos com o que julgamos ser os suplementos de qualidade e pureza insuperáveis. Acesse para conhecer: DHA Spirulina clorella

Referências:

  1. http://draxe.com/7-proven-chlorella-benefits-side-effects/
  2. https://authoritynutrition.com/10-proven-benefits-of-spirulina/
  3. https://authoritynutrition.com/omega-3-supplement-guide/
  4. http://draxe.com/7-proven-chlorella-benefits-side-effects/
  5. https://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/3341
  6. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20016697
  7. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12781705
  8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2613958/
  9. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2695150/
  10. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19432881
  11. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8584455
  12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3919363/
  13. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ptr.2650040605/abstract
  14. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19299804
  15. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24691130
  16. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12769719
  17. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4012879/
  18. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23121873
  19. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23368938
  20. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22561632
  21. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12639401
  22. http://www.bmj.com/content/321/7258/405
  23. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18800884
  24. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24331771
  25. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24324897
  26. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18343939
  27. http://online.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/jmf.2006.0180
  28. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10459507
  29. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25547488
  30. http://journals.lww.com/co-lipidology/Abstract/2009/10000/Circulating_oxidized_LDL__a_biomarker_and_a.3.aspx
  31. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4320919/
  32. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3576896/
  33. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18589030
  34. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12936959
  35. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12936959

Olá, deixe seu comentário para 10 razões cientificamente comprovadas para incluir microalgas em sua dieta

Enviando Comentário Fechar :/